in

Venda direta não preocupa, segundo Anfavea

O crescimento exponencial das vendas diretas (faturamento da montadora diretamente ao consumidor), que em 2019 chegaram ao pico histórico de 45% do total de emplacamentos, não parece preocupar a Anfavea. “É um mercado importante e deve se estabilizar nesse patamar”, avalia Moraes.

Ele lembra que nem todos os veículos vendidos por faturamento direto têm descontos elevados e parte importante é negociada pelas concessionárias, como as compras com isenção de impostos para taxistas e pessoas com deficiência (PcD).

Veja Também

⇒ Os carros mais vendidos no 1º decêndio de janeiro de 2020

⇒ Os carros mais vendidos do Brasil em 2019

⇒ Os SUVs mais vendidos do Brasil em 2019

É preciso separar o que é venda direta e uma boa parte, embora seja faturada pela montadora, é vendida pela concessionária (com negociação de varejo). Esse tipo de faturamento é feito para empresas, licitação de compras de veículos por entes governamentais, taxistas, pessoas com deficiência (PcD) e, por fim, locadoras, que representam menos de 20% dessas vendas”, afirma o presidente da Anfavea.

[Fonte: Portal Automotive Business]

Siga o MDA nas redes sociais:

Written by Michael W.

Apaixonado por carros desde criança, hoje compartilho com todos o conhecimento que tive ao longo da vida.

Siga o MDA nas redes sociais
Facebook -- Instagram -- Youtube -- Twitter

Deixe uma resposta

Loading…

Mulher vítima de violência doméstica poderá comprar carro com isenção de IPI

Honda City e Fit têm bônus de fábrica nas versões acima de R$ 70 mil