Avaliação: Volkswagen T-Cross Sense 200 TSI 2021


Confira os comentários e impressões sobre o SUV da marca alemã vendido exclusivamente ao público PcD.

Com mais de 18 mil unidades comercializadas, o Volkswagen T-Cross Sense pode ser considerado sim um modelo consolidado e de sucesso entre o público que adquire veículos na modalidade PcD. Prova disso é o período de três meses seguidos em que o SUV compacto da marca alemã destronou seus concorrentes e até mesmo o líder Chevrolet Onix, assumindo posição de destaque em razão da versão.

Há de convir que os bons números são resultado de unidades represadas que foram entregues apenas depois de um tempo, mas não tira o mérito de um bom desempenho. Chegou recentemente na linha 2021 após meses de suspensão e trazendo mudanças, como perda de central multimídia e rodas de liga leve, além de possuir apenas um ano de garantia e agregar regulagem de altura do facho dos faróis.

O Mundo do Automóvel para PcD foi até a concessionária Nacional VW Prudente de Morais na cidade de Natal/RN conhecer um exemplar do T-Cross Sense já na nova linha, confira todos os detalhes.

Exterior:

Lembrando que estamos falando de um ponto subjetivo, então existem muitas discordâncias quanto a isso – e como existem. O Volkswagen T-Cross é comercializado inclusive na Europa, mas com diferenças visuais para a América do Sul, mas ainda assim traz design conservador sem perder a identidade dos lançamentos recentes da marca.

A frente conta com uma grande grade na cor preta com detalhes black piano na versão e faróis horizontalizados com iluminação halógena, além de máscara negra, tendo para-choque na cor do veículo com faróis de neblina e as luzes diurnas em LED em conjunto. Lateralmente conta com apliques plásticos que rodeiam o veículo e é corriqueiro no segmento, contemplando maçanetas e retrovisores na cor da carroceria, bem como rack de teto na cor preta e as novas calotas de 16 polegadas que merecem certo “destaque” pela peculiaridade.

Se no irmão Nivus já pode ser visto o novo logotipo da marca, no T-Cross ainda não, mas as calotas trazem a identidade visual renovada da Volkswagen. Muito provavelmente isso se deve ao fato de serem as mesmas calotas utilizadas nas versões de entrada no Velho Continente, talvez até importadas.

A traseira do veículo traz lanternas com iluminação em LED com um aplique no mesmo tom escuro “unindo-as” dando impressão de continuidade, algo que também pode ser percebido no Nivus. O nome do veículo vem ao centro e o logotipo “200 TSI” indicando a motorização pode ser adquirido num pacote.

Interior e porta-malas:

Um dos maiores pontos positivos do Volkswagen T-Cross está no interior que possui bom espaço interno proporcionado pelo bom entre-eixos de aproximadamente 2,65 metros de comprimento, herdado do sedan Virtus. Isso corrobora com o caráter de apelo familiar do modelo que a própria marca atribui a ele dentro do portfólio de SUV’s compactos, ocupando uma linha intermediária entre Nivus e Tiguan Allspace.

O espaço tanto para as pernas quanto para a cabeça é satisfatório, bem como o acesso ao habitáculo por pessoas com mobilidade reduzida, mas que pode ser um pouco dificultado pela ausência de alças de teto.

Em contrapartida, traz um porta-malas um tanto pequeno para o segmento com 373 litros de capacidade, mas podendo ser ampliado para 420 litros através de um mecanismo no banco traseiro semelhante ao já visto no hatch Fox. Quando ampliado, encontra-se uma capacidade um pouco abaixo de maioria dos concorrentes ainda, mas consideravelmente boa a depender do que se propõe.

Veja Também

⇒ Comparativo: T-Cross Sense + pacotes x Nivus Comfortline

Nivus Comfortline: preço, fotos, equipamentos e mais

⇒ VW Nivus Highline: preço, fotos, equipamentos e mais

Fotos: T-Cross Sense (PcD) 2021

Acabamento:

Talvez um dos pontos mais delicados seja o do acabamento do T-Cross, bem como de boa parte dos modelos da Volkswagen.  Como na maioria dos modelos do segmento, o plástico rígido é visto com abundância por toda parte do painel e das portas, exceto pelos apoios de braço revestidos. No entanto, o aspecto é de simplicidade e pode passar uma impressão de falta de capricho.

A cor utilizada nos materiais foge um pouco do padrão dos demais e pode ser notado um tom acinzentado que reforça essa impressão de falta de esmero. Como não andamos com o veículo, não podemos dar um panorama sobre ruídos, mas alguns pontuais são percebidos por alguns usuários.

No entanto, não foge do “padrão” e não pode ser um fator que desabone qualidades como segurança, desempenho e consumo. Talvez a utilização de plásticos na cor preta contribua com uma melhor impressão.

Fica a dica para conhecer o modelo e conferir o bem-estar a bordo, uma vez que a ergonomia é bem resolvida e os comandos são de fácil acesso.

Powertrain e consumo:

O motor é o já conhecido 1.0 TSI (200 TSI) com três cilindros e doze válvulas, turboalimentado e flex. São 128 cavalos de potência no etanol e 116 cavalos na gasolina, ambos a 5.500 rpm com torque de 20,4 kgfm ou 200 nM a 2.000 rpm tanto no etanol quanto na gasolina.  Está aliado ao câmbio automático de seis marchas com conversor de torque.

No consumo, em trecho urbano as médias são 7,6 km/l com etanol e 11 km/l na gasolina e em trecho rodoviário são 9,5 km/l no etanol e 13,5 km/l na gasolina. Medidas do INMETRO.

Equipamentos e pacotes de acessórios:

O modelo conta com ar-condionado manual, direção elétrica, vidros elétricos dianteiros e traseiros com função “one touch” para os dianteiros, travas elétricas, retrovisores elétricos com função tilt down no lado direito e repetidores de seta, faróis de neblina com DRL em LED integrado e função “Cornering Light”, lanternas traseiras em LED, regulagem de altura do facho dos faróis (novidade), rack de teto, bancos em tecido com regulagem milimétrica de altura para o motorista, controles de tração e estabilidade, assistente de partida em rampa, 6 airbags (frontais, laterais e de cortina), sistema ISOFIX, alarme, computador de bordo com display multifuncional, volante multifuncional com ajuste de altura e profundidade, rodas de aço de 16 polegadas com calotas, entre outros itens.

Por sua vez, os pacotes são:

  • Tech:  central multimídia com Android Auto/Apple CarPlay, câmera de ré, emblema lateral com o nome T-Cross e logo 200 TSI na tampa do porta-malas;
  • Essential: adiciona soleira de alumínio, sensor de estacionamento, tampão do porta-malas e jogo de tapetes;
  • Style: por último, esse pacote agrega rodas de 16 polegadas (as mesmas utilizadas anteriormente), parafuso antifurto e capas dos parafusos das rodas;
  • Garantia estendida: o modelo pode contar com até quatro anos de garantia, podendo adicionar até mesmo no financiamento.

Observação importante: o cliente não tem a obrigação de adquirir nenhum pacote, como já foi especulado, mas vale destacarmos que a central multimídia do pacote Tech é a mesma oferecida de série anteriormente, sendo que possibilita ao usuário a configuração de diversas funções do veículo, passível de perda destas se não instalado.

Preços e cores:

O Volkswagen T-Cross Sense tem preço público sugerido de R$ 69.990, sendo reduzido para R$ 57.630, aproximadamente, com a aplicação das isenções de IPI e ICMS. Se o cliente levar os três pacotes de acessórios fica em R$ 68.952.

As cores são as sólidas Branco Puro, Preto Ninja e Prata Sargas.

Conclusão:

Finalizando a avaliação do Volkswagen T-Cross Sense 2021 com algumas considerações importantes. A primeira é quanto ao tempo de entrega do modelo, podendo ser de 90 dias, mas que pode ser antecipado de acordo com a demanda e ritmo de produção, ainda tendo algumas consequências geradas pela pandemia.

Falando do modelo em si, vale ponderarmos que o mercado de modelos PcD está cada vez mais restrito de opções, devendo valorizar cada uma existente no momento, de modo que não sabemos por quanto tempo ficará em linha. Até o momento não é comentada uma eventual suspensão do modelo, mas se estiver interessado e com as isenções prontas é melhor ir atrás logo.

Falamos de um SUV com triunfos importantes, como a disposição de seis airbags de série, bloqueio do diferencial traseiro, espaço interno generoso, além de desempenho e consumo satisfatórios em razão do motor de concepção moderna e atual. Inclusive, cabe destacar que com a suspensão do Chevrolet Tracker, o T-Cross é a única opção de SUV exclusivamente destinado ao público PcD a dispor de motor turbo.

Vale a compra? Bom, isso é bastante relativo, mas o veículo é notadamente adequado para propostas de uso onde se priorize alguns pontos como segurança, espaço interno, desempenho condizente e médias de consumo exemplares. Uma dúvida que tem sido recorrente e foi até alvo de matéria (veja link) é se equipar o T-Cross Sense perante o Nivus Comfortline é vantajoso, mas cabendo ponderar que são modelos bem distintos, apesar de semelhanças, pontuando alguns fatores como tempo de troca, desvalorização, entre outros. Desejamos vida longa ao Volkswagen T-Cross Sense no mercado PcD.

Fotos: T-Cross Sense (PcD) 2021

Agradecimento especial a gerente de vendas diretas da Volkswagen Nacional da cidade de Natal/RN Érica Vasconcelos e ao seu entregador técnico Alex pela disponibilidade e cordialidade. Siga @nacionalvw no Instagram e tenha acesso aos telefones das três lojas.

[Fotos: Augusto M.D.A]

Siga o MDA nas redes sociais: