[Avaliação] Fiat Pulse Audace TF200: mero “Argo maior” ou tem algo a mais?


Avaliamos a versão intermediária do novo SUV da marca italiana no Brasil, o primeiro fabricado no país.

Depois de muito tempo de espera, especulações e quase que uma novela, a Fiat lançou em outubro de 2021 o seu primeiro SUV fabricado no Brasil. O Pulse, cujo nome foi decidido pelo público através de votação, começou fazendo bastante sucesso já na pré-venda e hoje pode ser bastante visto nas ruas do país.

Porém, uma das discussões que até hoje permeia as redes sociais é a tamanha semelhança com o hatch Argo. Bom, vale destacar que da mesma forma que o VW Nivus deriva diretamente e compartilha peças com o VW Polo, Fiat Pulse e Argo passam por isso. Dessa forma, a comparação é inevitável, mas a italiana preferiu por não ousar no design como a alemã e a semelhança aparenta ser um pouco mais nítida.

O objetivo aqui é passar tudo sobre o veículo na versão intermediária Audace com o novo motor 1.0 turbo, denominado de Turbo 200 (posteriormente explicaremos) e ao final responder a pergunta do título: o Pulse é de fato um Argo com maiores dimensões ou é um produto a parte? Além disso, como é de praxe, vamos passar as condições para o público PcD com isenção de IPI.

Design

O Fiat Pulse é um carro que traz uma nova linguagem de design da montadora e que começou de forma maciça na picape Strada, adotando uma grade bastante grande e filetes horizontais, além de abrigar o Fiat Script – emblema da marca atualizado e o Fiat Flag no canto inferior esquerdo com as cores da bandeira da Itália.

Seus faróis são afilados e são quase totalmente em LED, faltando a seta, mas com DRL na parte superior. Falando neles, possuem qualidade e iluminam bem, mas a versão Audace não conta com faróis de neblina e eles fazem um pouco de falta em determinadas ocasiões.

Lateralmente a marca adotou peças plásticas na cor preta, principalmente nas caixas de roda e de certa forma deu certo, dando ao Pulse a impressão de um porte ainda maior. As rodas aqui são de 17 polegadas (as mesmas da versão Impetus) com acabamento escuro, opcionais, assim como retrovisores, teto e colunas na cor preta que contrastaram muito bem com a cor sólida Vermelho Montecarlo.

Já a traseira traz um aspecto mais conservador que o concorrente VW Nivus, pois não tem a queda cupê e isso é até um pouco de “polêmica”, pois se assemelha um tanto quanto com o Argo. Porém, nada ali é compartilhado com o hatch necessariamente, somente há semelhança nas disposições de lanternas, por exemplo. Lanternas que assim como os faróis são parcialmente em LED, pois as luzes de ré são halógenas, infelizmente.

Motorização, desempenho e consumo

Eis aqui a novidade da marca italiana para a sua gama: um novo motor 1.0 turbo da família de motores GSE. Denominado de Turbo 200 ou TF200, em função do torque em Newton-Metro, ele é o motor mais potente do país em sua litragem e assim como o 1.3 turbo que equipa a linha Jeep e a Toro.

A nova motorização, aliada ao câmbio automático CVT que simula sete marchas com opção de trocas manuais, proporciona ao Pulse um desempenho muito bom e acima da média da concorrência. Na cidade, agilidade em saídas de semáforo, retomadas leves e saídas de quebra-molas, tudo sem subir muito o giro do motor (refletindo no consumo). Na rodovia, suavidade em ultrapassagens e a “letargia” tradicional em transmissões desse tipo é basicamente imperceptível.

O modo Sport é bastante eficaz e quando acionado com o carro em movimento, fica nítida a maior sensibilidade do pedal do acelerador, além das trocas de marcha atuando em maiores rotações. Nos números, até 130 cavalos de potência com etanol e 125 na gasolina com torque de 20,4 kgfm a 1.500 rpm em ambos os combustíveis.

Quanto ao consumo, sabemos que cada média depende de vários fatores, mas os obtidos durante os 8 dias com o modelo testado em diversas ocasiões foram condizentes, sempre com etanol no tanque: variação entre 9,5 e 10 km/l em trecho exclusivamente urbano, sendo que em trecho totalmente rodoviário chegou a 12,5 km/l com apenas um ocupante, fazendo até 13 km/l em alguns momentos de pista mais livre – rodovia sempre duplicada. Percursos sempre com ar-condicionado ligado.

O consumo misto do modelo ficou em 10,7 km/l em uma combinação 60% trecho urbano e 40% trecho rodoviário.

Tecnologia

A Fiat agregou ao seu novo modelo os aparatos de tecnologia que já foram adotados na Jeep e na própria Toro, começando pela nova geração da central multimídia UConnect com tela touchscreen de 10,1 polegadas na versão Audace com o pacote Connect///ME. Com ótima sensibilidade ao toque, tem fácil usabilidade, boa resolução de tela e traz alguns recursos interessantes, como GPS nativo, e Android Auto/Apple CarPlay sem fio.

Valendo destacar a boa qualidade da câmera de ré, além da qualidade de som que proporciona uma boa experiência, muito embora para aqueles que gostam de sonorização alta não seja tanto o forte. O ideal são volumes mais amenos.

Outro recurso bastante interessante e que dessa vez pude testar é o Wi-Fi nativo com sinal da operadora Tim, oferecendo uma boa velocidade de internet, mas que em rodovias cai de forma demasiada – questão de sinal da fornecedora. Além disso, o carregador por indução do modelo funciona muito bem, mas o celular esquenta de forma demasiada, algo não percebido em Compass e Commander.

Veja Também

⇒ Fiat para PcD: confira opções com isenção IPI na marca italiana

⇒ Fiat libera Pulse para vendas ao público PcD com isenção de IPI

Interior e conforto

Assim como de praxe no segmento, o Fiat Pulse traz acabamento interno em plástico rígido, mas está longe de ser empobrecido, pois a marca trabalhou com diferentes texturas e deixou o interior do modelo bastante interessante. Ficou bastante bonito, embora a disposição de multimídia e saídas de ar seja baseada no Argo, mas a herança maior é do Compass 2022, pois as saídas são toda horizontais. Ademais, ambos compartilham os comandos de ar, entre outras funções interligadas.

As portas também possuem acabamento em plástico, mas possuem detalhes em relevo que dão um destaque, mas fica um ponto negativo: atrás não há sequer couro ou tecido para apoiar o braço, enquanto na frente a área revestida é bem pequena. Como mérito de comparação, versões topo de Argo e Cronos possuem lateral de porta revestida de couro ou tecido, dependendo do banco.

O banco do motorista possui ajustes manuais, incluindo de altura, o que ajuda a encontrar uma boa posição de dirigir. Porém, o volante tem ajuste somente de altura e deve o de profundidade que é presente somente na versão Impetus, deixando-o muito próximo do banco. Ponto positivo para o console central que diferente de Argo e Cronos possui uma ampla quantidade de porta objetos, incluindo abaixo do apoio de braço que é revestido em couro e levemente macio.

Quem vai atrás no Pulse tem bom espaço para as pernas e cabeça, mas para quem tem estatura mediana e a depender da regulagem do banco de quem vai na frente. No console central, somente uma tomada USB para carregamento de celular, devendo saídas de ar, mesmo que o sistema adotado dê conta do habitáculo.

Em movimento, o Fiat Pulse transmite segurança aos passageiros e a quem está dirigindo, sendo bastante competente em curvas e com sua suspensão absorvendo muito bem os impactos de buracos, bueiros e de ruas sem pavimentação. Voltando ao assunto curvas, me surpreendeu durante a condução que diferente de alguns outros modelos da marca, o Pulse não se “deita” tanto, mantendo uma boa estabilidade.

Pontos de crítica ficam para o excesso de vibração decorrente do motor três cilindros e da falta de manta acústica do capô, permitindo que em altas rotações o som do motor invada de forma um pouco maior o interior do veículo.

Porta-malas

Com 370 litros de capacidade, o SUV da marca italiana possui litragem um tanto quanto pequena, mostrando realmente ser um carro derivado de um hatch, e fica de certa forma penalizado por não ter o caimento cupê da traseira como no concorrente Nivus, já que isso possibilita ao modelo da marca alemã 415 litros de capacidade. No entanto, o Pulse atende bem um casal que seja sem filhos ou que tenha um pequeno.

Segurança e assistentes de condução

O Fiat Pulse Audace tem de série quatro airbags (frontais e laterais que segundo a marca também cumprem o papel de cortina), freios ABS, controles de tração e estabilidade, assistente de partida em rampa, ISOFIX e Top Tether, do sistema TC+ que foi testado e aprovado, cujo objetivo é atuar em situações de baixa aderência com o solo.

Preços e conclusão

O Fiat Pulse nessa versão tem preço público sugerido a partir de R$ 112.490, sendo que a unidade testada na cor Vermelho Montecarlo contava com os opcionais Fiat Connect///ME no valor de R$ 3.720 e Pack Design III no valor de R$ 5.300. Esse último pacote agrega rodas 17, detalhes pretos no exterior e bancos em couro. No final, o preço é de R$ 122.510.

Para PcD, em fevereiro, há isenção de IPI, reduzindo o preço para R$ 107.135,48 na cor preta sem adição de opcionais. Preços não valem para São Paulo e Paraíba.

Devemos considerar que é a opção mais completa possível do Pulse para o público PcD, pois a versão Impetus não está disponível, e dessa forma, fica devendo alguns equipamentos, como painel digital de 7 polegadas, faróis de neblina, rebatimento elétrico dos retrovisores, entre alguns outros equipamentos que no caso de um cliente sem isenções pode acabar sendo mais vantagem, pois a diferença de preço fica em menos de R$ 2.000.

Respondendo a pergunta do título: o Pulse merece o título de “Argão”? A resposta é não, pois apesar da base nítida, o modelo tem particularidades, começando pela plataforma MLA que deriva da MP1 do Argo, mas traz importantes novidades que permitiram ao modelo ter mais tecnologia e segurança.

Além disso, o Pulse é um modelo mais conectado, até pelo fato de o Argo estar chegando no seu quinto ano, mas representa um grande salto em relação ao irmão menor. Outra questão é a dirigibilidade, bastante diferenciada entre ambos, até em razão do novo motor que deixou o SUVzinho muito equilibrado e que fará bem demais ao Argo (isso se chegar). O que nos deixa na expectativa de um dia avaliar o Pulse Drive 1.3 CVT para ver se a percepção continua.

Não costumamos atribuir notas aqui, mas será aberta uma exceção. Nota 8,5 para o novo modelo da Fiat, pois percebe-se de forma clara o esforço da marca em evoluir e se destacar perante a concorrência. Muito embora haja alguns pontos de ponderação negativa, como o porta-malas pequeno, a ausência de airbags de cortina e de saídas de ar traseiras.  

Fotos: Fiat Pulse Audace

  • Avaliação Fiat Pulse Audace
  • Avaliação Fiat Pulse Audace
  • Avaliação Fiat Pulse Audace
  • Avaliação Fiat Pulse Audace
  • Avaliação Fiat Pulse Audace
  • Avaliação Fiat Pulse Audace
  • Avaliação Fiat Pulse Audace
  • Avaliação Fiat Pulse Audace
  • Avaliação Fiat Pulse Audace
  • Avaliação Fiat Pulse Audace
  • Avaliação Fiat Pulse Audace
  • Avaliação Fiat Pulse Audace
  • Avaliação Fiat Pulse Audace
  • Avaliação Fiat Pulse Audace
  • Avaliação Fiat Pulse Audace
  • Avaliação Fiat Pulse Audace
  • Avaliação Fiat Pulse Audace
  • Avaliação Fiat Pulse Audace
  • Avaliação Fiat Pulse Audace
  • Avaliação Fiat Pulse Audace
  • Avaliação Fiat Pulse Audace
  • Avaliação Fiat Pulse Audace
  • Avaliação Fiat Pulse Audace
  • Avaliação Fiat Pulse Audace
  • Avaliação Fiat Pulse Audace
  • Avaliação Fiat Pulse Audace
Banner MDA